Pular para o conteúdo principal

Ensinamentos valiosos para o seu negócio da participação do Brasil na Copa de 2018.




A Copa do Mundo de 2018 está terminando e, por ser uma disputa entre países em uma competição que mobiliza milhões de pessoas, existe muita dedicação, perseverança, assim como derrotas e vitórias. O Brasil foi eliminado após a derrota para a Bélgica e a imprensa, as redes sociais e diversos outros meios não pouparam críticas. Avaliações, teorias e as tradicionais dúvidas foram logo para as primeiras páginas. O que não funcionou bem? Quais os problemas que não foram resolvidos? Foi a equipe a ideal? O líder fez a sua parte? O que melhorar para o futuro? Essa são algumas das diversas perguntas que gostaríamos de ver respondidas.

Uma competição esportiva como essa tem muita semelhança com o dia a dia das empresas. São grandes os desafios a serem enfrentados, muitas lições a serem aprendidas, vitórias a serem comemoradas e, principalmente, sem um planejamento minucioso, é praticamente impossível chegar ao sucesso. 

Não é difícil identificarmos questões muito comuns da Copa do Mundo de 2018, principalmente em relação a seleção brasileira, com o que um empreendedor ou mesmo empresas médias ou grandes enfrentam todos os dias. 

Planejamento

Não é possível conquistar bons resultados sem planejamento. No futebol assim como em nossas vidas tudo começa na base. Como foi desenvolvida a formação de base das pessoas envolvidas desde pequenos? Equipes bem sucedidas trazem uma base de respeito, educação, capacidade criativa e dinâmica de grupo. Sabem que um resultado é construído com muita dedicação, cooperação e motivação. No Brasil existe um trabalho de base no futebol pouco desenvolvido e voltado para o capital. São poucos os atletas que conseguem altas performances. Essa é uma consequência da condição socioeconômica e predatória do chamado Mercado da Bola. A preparação de uma seleção vencedora não acontece em quatro anos, é uma trabalho que leva em conta vários conjuntos de fatores, e são décadas para se desenvolver. Com uma boa base, a possibilidade de vitória sempre é muito maior. Tudo isso vale para o empreendedor que leva anos estudando, desenvolvendo meios de comunicação, amadurece através de processos bem estruturados e trabalha duro para realizar um negócio de sucesso. Seja no esporte, na vida social, na carreira profissional, ou mesmo em simples ações em nosso dia, sem planejamento, tudo será mais difícil ou impossível de alcançar.    

Validação 

O empreendedor sabe bem o que é validar uma hipótese. Uma necessidade gera uma ideia ou ação que, através de um bom planejamento, apresenta-se como uma solução. Entre a hipótese e o Produto Mínimo Viável, existe um longo caminho de testes e preparação, até chegar o momento de entender melhor como o negócio vai funcionar. É nessa fase que as maiores mudanças tendem a serem feitas. No futebol, ainda que cada jogo seja diferente, existe uma base, uma hipótese de que aquela formação e o conjunto de táticas, terão êxito frente a um adversário. Durante uma partida ou em um campeonato, muitas modificações ocorrem e isso é importante tanto para melhorar o desempenho, como para surpreender. Nesta Copa do Mundo o Brasil insistiu na mesma formação repetidas vezes mesmo com rendimentos muito ruins de alguns jogadores e a transição entre setores. Muitos comentaristas concordam que o Brasil jogou mal em todos os jogos, tendo alguns lampejos e sem se impor, mesmo tendo uma equipe tecnicamente superior. Essa é uma fórmula que tende ao fracasso. Baixo desempenho, sem qualquer alteração para buscar melhorias. 

Avaliação e mudanças 

Empresários em qualquer ramo estão acostumados com a análise dos dados, seja da gestão dos seus negócios, assim como do ramo de atividade e os índices econômicos em geral. Por trás de uma empresa de sucesso, certamente existem alguns especialistas em traduzir dados em ações para buscar os melhores resultados. No mercado corporativo, vence quem consegue aplicar as melhores soluções em menos tempo. No futebol é assim também. Deve haver um constante trabalho de avaliação, até por conta de ter os dados e resultados de forma muito transparente. Isso é tão dinâmico no futebol, que a avaliação e a mudança andam juntas, ocorrem simultaneamente enquanto o orientador da equipe passa as instruções a beira do gramado. 

Equipe

Existe uma máxima pouco seguida mesmo entre empresários de sucesso. O ideal não é investir nos maiores talentos, mas sim, investir em todos. O retorno sempre será maior. Isso não quer dizer que não existam profissionais com desempenho extraordinário que devam ser valorizados, pelo contrário, as remunerações costumam acompanhar o retorno em resultado que cada profissional consegue produzir, mas isso, deve ir somente até esse ponto. Comprovadamente, investir nos funcionários de forma igualitária, gera coletivamente melhores resultados. O que todos viram na seleção brasileira, foi uma bajulação exacerbada para um único jogador que não retribuiu em resultados de forma decisiva. É o mesmo principio, e o pior, foi que o jogador ainda faltou com o respeito em diversas situações e demonstrou não ser capaz de lidar com as cobranças e pressões. Se a equipe consegue o êxito e se consagra como campeã, os holofotes se voltam para o protegido, mas isso raramente ocorre. O resultado, fatalmente na esmagadora maioria dos casos, vai ser a derrota.  

Síndrome do filho intocável 

Essa é uma brincadeira que muitos profissionais de Coach usam para descrever o empresário que briga e esperneia quando falam mal do seu negócio. É como a mãe que toma as dores do filho não importando o que tenha acontecido. Esse é um erro muito comum com empreendedores com pouca experiência. Esse é um caminho para o fracasso. Saber ouvir, avaliar e mudar a direção normalmente salvam negócios. Isso é feito o tempo todo. Ficou claro, principalmente após a derrota nas quartas de final, que algo muito errado quanto a avaliação estava e está ocorrendo. O que ouvimos foi o discurso de que a seleção brasileira estava indo bem, que foram pequenos detalhes, como um azar repentino que retirou a equipe da competição. Não podemos passar a mão na cabeça do filho mimado. A seleção brasileira foi muito mal durante o Mundial da Russia. Não sou eu quem esta dizendo, basta ver os números, ter acompanhado a imprensa livre, ou ter algum bom senso. Quando digo imprensa livre, me refiro aos jornalistas que cumprem sua função principal de relatar os fatos sem intervenções externas para blindar determinadas situações ou direcionar a narrativa. Mascarar resultados ou não admiti-los, é utilizado por quem não tem compromisso com o resultado. 

Lições 

Uma Copa do Mundo tem aspectos muito semelhantes ao dia a dia de uma empresa que busca o crescimento rápido e sustentável. Para um empreendedor que investe todo seu tempo e recursos em um projeto, é como disputar um jogo de Copa todos os dias. A equipe precisa estar focada, estimulada, enfrentando adversário mais preparados e tendo que desenvolver estratégias matadoras. Nessa comparação, fica a tristeza em ver uma seleção sem identidade, apostando no individualismo e não no coletivo, sem força ou liderança. Vamos torcer para que essa lição seja avaliada e que o trabalho que se seguirá, saiba absorver e crescer para que em 2022, mesmo que a seleção não seja a campeã, que deixe o brasileiro orgulhoso de ser bem representado.




Comentários